aventuras em 4x4

terça-feira, outubro 18, 2005

A Preparação


A Preparação
Tendo ficado definido em Julho que o grupo seria constituido, no minimo, pelo Guimas, Miguel, Paulo e eu, viabilizando assim a ida de dois carros, era pois altura de iniciar os preparativos.
Em Agosto, começou finalmente a preparação do material. A primeira etapa contemplava obter a biblografia necessária, não só no que respeita a guias, como também mapas pormenorizados da zona.
Neste aspecto o material anteriormente utilizado pelo Gil[1] e a paciência do Paulo para vasculhar a internet e encontrar o Guia Mauritanie au GPS[2] foi importantíssima.

A partir daqui, o Guimas deu início às actividades relacionadas com a cartografia e eu e o Paulo começamos a preparar os jeeps e respectivo material auxiliar.


Estado actual
Neste momento, começa-se a sentir verdadeiramente que o grande dia está proximo. Neste fim-de-semana, corre-se a Baja de Portalegre e será o primeiro cheirinho de Dakar que iremos ter. Para além de estarem quase todos os grandes jeeps que irão correr no Dakar, a habitual romaria que nesta altura do ano empreendemos até ao Alto Alentejo faz-nos sonhar ainda mais com o ritual da confirmação da véspera, o nervosismo do carregamento e a ânsia de chegar ao ponto de encontro e partir para Algeciras a toda a velocidade.

Os próximos dias irão também servir, entre outros, para confirmar a entrada de um terceiro TT. O meu Pai começa sempre por achar as minhas ideias um absurdo, mas com o passar do tempo vai ficando cada vez mais interessado, até que um dia decide puxar o assunto e colocar-se a jeito para que eu lhe enderesse novamente a pergunta que sempre mantive “Queres vir connosco?”.

No rescaldo da viagem de 2005 verifico que a grande revelação foram os meus Pais, que acompanharam um grupo de 5 miudos até Marrocos, dormiram e comeram em sitios em que já há muitos anos tinham limpo do seu imaginario e nunca manifestaram qualquer descontentamento ou tentativa de nos afastar do nosso compromisso de fazer uma férias baratinhas.Deste modo, a ideia de ter o meu Pai a acompanhar-nos deixa-me bastante feliz e perfeitamente tranquilo quanto à sua integração no grupo. A grande dúvida do momento é quem o irá a acompanhar, perfigurando-se inesperadamente o Vasco como o principal candidato ao lugar de co-piloto.


[1] Guide du Routard Afrique Noir
Guide du Routard Marroc
Guide du Sahara; edi. hachette
[2] Mauritanie au GPS; edi. Takla Makane

domingo, outubro 16, 2005

Mauritania 2006 - O Início




Introdução
Dando seguimento a um desafio lançado pelo meu irmao decidi criar um blog para dar conta da nossa viagem à Mauritania para ver o Dakar 2006.
Nesta fase inicial entendi ser necessário efectuar um enquadramento sobre como chegámos até aqui. A partir de agora, pretendo ir alimentando este blog quinzenalmente até ao momento da partida para a Mauritânia e, durante a nossa viagem, iremos difundindo as novidades sempre que os cibercafés cruzem a nossa rota.


Tudo se iniciou em Janeiro 2005 durante a nossa viagem a Marrocos, onde acabámos por não ver a passagem do Dakar 2005, ao contrário do inicialmente estipulado. Problemas na compatibilização da nossa agenda com as datas do Dakar fizeram-nos modificar os objectivos inicialmente traçados, e o passeio de 2005 ficou de algum restringido a uma normal volta por Marrocos com passagem nos habituais locais obrigatórios: Marrakech, Erg-Chebbi e Floresta dos Cedros.


A ideia de voltar a África para uma viagem mais ambiciosa surgiu ainda antes do regresso ao Porto. Quando voltámos, continuavam por concretizar os meus sonhos de aventuras de dias seguidos no Deserto e ver voar sobre as dunas os Ases do Dakar.
Penso que esta insatisfação era comum a todos os que regressavam de Marrocos pela segunda vez e, por isso, desde logo ficou acordado repetir a experiência doze meses depois, mas desta vez a sério, até ao Sahara.

E foi assim que, em Abril de 2005, iniciei a preparação da viagem, enviando um convite a todos os amigos que imaginei pudessem partilhar a nossa vontade.
Penso que, com a excepção de três ou quatro pessoas, as restantes não levaram muito a sério e acharam que começar os preparativos com nove meses de antecedência era exageradíssimo.
Mas, para mim, a viagem era complexa e, nesta fase da vida, quase todos temos de racionar o tempo, ainda mais quando nos preparamos para “enterrar" quinze dias de férias no deserto.